Novo Romance Surgindo

||
Já faz algum tempo que tive um sonho que me deixou encucada. Pra variar, anotei tudo pra quem sabe um dia escrever algo sobre ele. Hoje senti uma vontade imensa de voltar a esse projeto e agora divulgo em primeira mão o que (a princípio) imaginei como o início da história que tem o título provisório de "O Leão e a Borboleta".

1. A vida é engraçada.
Achamos que temos o controle sobre a nossa, mas basta acordar um dia e se dar conta que doze anos se passaram para percebermos que não é bem assim. Você está realmente onde achou que estaria? Ao lado das mesmas pessoas que jurou ficar para sempre junto? Ainda gosta das mesmas músicas e de se vestir do mesmo jeito?
Um jovem de dezessete anos não pode acreditar na traição do melhor amigo. Um de vinte e nove já passou por isso. Um jovem de dezessete anos projeta seu futuro num mundo de maravilhas. Um de vinte e nove já provou o gosto da vida real.
As frustrações aparecem e com elas o medo. Esse medo terrível que nos paralisa e nos faz duvidar de nós mesmos.
            Foi assim que começamos a fazer tudo errado.
Nos perdemos no caminho e andamos sem saber para onde iríamos. Continuamos a caminhar porque nos ensinaram que não se pode parar. Afastamo-nos de quem amávamos, esquecemo-nos que os amávamos. Perdemos a inocência que nos fazia acreditar num mundo melhor. Nossa ousadia ficou apenas nas lembranças de nossas glórias passadas.
Os dias são cruéis e vão passando lentamente, um a um, pra você não se dar conta de que já se passaram muitos anos e tudo mudou.
            Mudamos todos, e nessa mudança deixamos tantas coisas para trás! Onde está a melhor amiga, confidente dos tempos colegiais, portadora única de nossos segredos mais profundos? Pra onde foi o primeiro namorado, por quem nosso coração batia mais forte e sem o qual pararíamos de respirar? Em que lugar do passado ficaram os avós, os bichinhos de estimação, a bicicleta cor de rosa?
            Andamos por caminhos tortuosos procurando ser felizes. Sempre procuramos ser felizes.

            Como eu pude me perder de você?
© Francine Cruz - 2012. Todos os direitos reservados.
Criado por: Ana Zuky.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo